sexta-feira, 13 de agosto de 2010

O VENTO.

O Vento (Fabio Terra)

O brinquedo do vento, são as folhas,
que mudam de endereço a cada carinho dele.

Muitas vezes ele, o vento, teima em chatear a gente,
coisa de irmão caçula,
Coloca as mãos nos olhos só pra você advinhar quem é.

Outras horas se descamba proutro porto,
atrás da maresia dos sonhadores.

Mas sempre volta trazendo
novos ares e paixões.

2 comentários:

Felipe Marques disse...

O vento fala bonito.

Boa, Corvão!

Aninha disse...

Que ele traga novos sonhos, novos ares e novos amores...
Lindo poeta!
Beijos