sexta-feira, 28 de novembro de 2008

O QUE ME INCOMODA.

O Que Me Incomoda (Fabio Terra)

As feridas em meu pé me incomodam
Assim como a falta de sono.

Meus desafetos me incomodam,
Mais que minhas feridas no pé.

Falar e não ser escutado me incomoda,
Vou começar a gritar,
Assim vou incomodar ao invés de ser incomodado.

Não quero ser amado.
Ser amado é para os sem graça alguma,
Prefiro ser respeitado.

Mas antes de morrer

Ser respeitado e amado depois que você morre, deve ser um porre.
Voltarei, eu, da além vida pra incomodar quem fizer isso comigo.

Se acaso eu morrer não me envie flores nem chorem.
Saiam e bebam em algum lugar,
Mas bebam alguma coisa elegante e chiquê.

Cerveja irá me incomodar,
Lembrem-se dos meus insucessos
Sempre foram mais trabalhosos.

Apenas se cuidem,  pra não morrerem antes de mim.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

A AVE E A BELA.

A Ave e a Bela ( Fabio Terra)

O teu sorriso, o teu carinho deixaram,
A ave tão calma,
Como se ela quisera lhe beijar e te abraçar com as asas.

Teus olhos,
Longe do momento, junto ao coração,
Um grão de paixão
Me prendo ao tombadilho.

Só quem tem alma chora, até alma com asas
Que alma não tem defeitos?
Alma amarrada, despedaçada. amada

Por toda minha vida quis ser avaro como o mar,
Espero Deus com gula, então,
Seja feliz, embriague-se de luxúria, amalvadeça-se de paixão,

Nunca poderá mesmo jogar o amor pela janela.
Eu nunca joguei, guardo ele até hoje,
Desde o dia em que realmente te vi.