sexta-feira, 28 de novembro de 2008

O QUE ME INCOMODA.

O Que Me Incomoda (Fabio Terra)

As feridas em meu pé me incomodam
Assim como a falta de sono.

Meus desafetos me incomodam,
Mais que minhas feridas no pé.

Falar e não ser escutado me incomoda,
Vou começar a gritar,
Assim vou incomodar ao invés de ser incomodado.

Não quero ser amado.
Ser amado é para os sem graça alguma,
Prefiro ser respeitado.

Mas antes de morrer

Ser respeitado e amado depois que você morre, deve ser um porre.
Voltarei, eu, da além vida pra incomodar quem fizer isso comigo.

Se acaso eu morrer não me envie flores nem chorem.
Saiam e bebam em algum lugar,
Mas bebam alguma coisa elegante e chiquê.

Cerveja irá me incomodar,
Lembrem-se dos meus insucessos
Sempre foram mais trabalhosos.

Apenas se cuidem,  pra não morrerem antes de mim.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

A AVE E A BELA.

A Ave e a Bela ( Fabio Terra)

O teu sorriso, o teu carinho deixaram,
A ave tão calma,
Como se ela quisera lhe beijar e te abraçar com as asas.

Teus olhos,
Longe do momento, junto ao coração,
Um grão de paixão
Me prendo ao tombadilho.

Só quem tem alma chora, até alma com asas
Que alma não tem defeitos?
Alma amarrada, despedaçada. amada

Por toda minha vida quis ser avaro como o mar,
Espero Deus com gula, então,
Seja feliz, embriague-se de luxúria, amalvadeça-se de paixão,

Nunca poderá mesmo jogar o amor pela janela.
Eu nunca joguei, guardo ele até hoje,
Desde o dia em que realmente te vi.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

PRINCESINHA INCA.

Princesinha Inca. (Fábio Terra)

Linda
quietinha de se olhar
princesinha Inca
sempre no cantinho,
nunca sozinha,
guardada apenas pelos olhares

Linda quietinha de se ouvir
princesinha Inca
tem porte juvenil, porém Real

Linda
princesinha Inca
que com seu olhar
faz com que a gente queira se ajoelhar.

Essa pequena sentimentalidade ficou perdida de mim por algum tempo, até que a encontraram e me devolveram sem querer.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

O Que Fez a Rainha Sorrir.

O Que Fez a Rainha Sorrir. (Fábio Terra)

Distância, inimiga das paixões inexatas.
Um toque na tela, e penso no cabelo dela
Palavras viram ações, um dedo inicia o fogo do jogo.

Virtual mundo, cheio de anônimos,
Buscando a insolidão, eu me refugio então
Nos seios belos, no sorriso mistério, e nos olhos ígneos.

Tão longe de minhas mãos,
Protegida pela elétrica invenção
Conduzindo energia através da paixão

Flutua sobre o disco do pêndulo
Despe-se dos pudores, fecham-se os garços olhos
Abre-se o sorriso e mordisca o canto boca

Explode em êxtase o Rei,
Vendo os seios e as costas nuas
Antes de partir.
Não antes de se perguntar o que fez a Rainha sorrir.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

O CORVO.

O Corvo ( Edgar Allan Poe)

Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de algúem que batia levemente a meus umbrais.
"Uma visita", eu me disse, "está batendo a meus umbrais.
É só isto, e nada mais."

Ah, que bem disso me lembro! Era no frio dezembro,
E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais.
Como eu qu'ria a madrugada, toda a noite aos livros dada
P'ra esquecer (em vão!) a amada, hoje entre hostes celestiais -
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais,
Mas sem nome aqui jamais!

Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo
Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais!
Mas, a mim mesmo infundido força, eu ia repetindo,
"É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais;
Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.
É só isto, e nada mais".

E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante,
"Senhor", eu disse, "ou senhora, decerto me desculpais;
Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo,
Tão levemente batendo, batendo por meus umbrais,
Que mal ouvi..." E abri largos, franqueando-os, meus umbrais.
Noite, noite e nada mais.

A treva enorme fitando, fiquei perdido receando,
Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais.
Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita,
E a única palavra dita foi um nome cheio de ais -
Eu o disse, o nome dela, e o eco disse aos meus ais.
Isso só e nada mais.

Para dentro então volvendo, toda a alma em mim ardendo,
Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais.
"Por certo", disse eu, "aquela bulha é na minha janela.
Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais.
"Meu coração se distraía pesquisando estes sinais.
"É o vento, e nada mais."

Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,
Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.
Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,
Mas com ar solene e lento pousou sobre os meus umbrais,
Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais,
Foi, pousou, e nada mais.

E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura
Com o solene decoro de seus ares rituais.
"Tens o aspecto tosquiado", disse eu, "mas de nobre e ousado
,Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais!
Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais.
"Disse o corvo, "Nunca mais".

Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro,
Inda que pouco sentido tivessem palavras tais.
Mas deve ser concedido que ninguém terá havido
Que uma ave tenha tido pousada nos meus umbrais,
Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais,
Com o nome "Nunca mais".

Mas o corvo, sobre o busto, nada mais dissera, augusto,
Que essa frase, qual se nela a alma lhe ficasse em ais.
Nem mais voz nem movimento fez, e eu, em meu pensamento
Perdido, murmurei lento, "Amigo, sonhos - mortais
Todos - todos já se foram. Amanhã também te vais".
Disse o corvo, "Nunca mais".

A alma súbito movida por frase tão bem cabida,
"Por certo", disse eu, "são estas vozes usuais,
Aprendeu-as de algum dono, que a desgraça e o abandono
Seguiram até que o entono da alma se quebrou em ais,
E o bordão de desesp'rança de seu canto cheio de ais
Era este "Nunca mais".

Mas, fazendo inda a ave escura sorrir a minha amargura,
Sentei-me defronte dela, do alvo busto e meus umbrais;
E, enterrado na cadeira, pensei de muita maneira
Que qu'ria esta ave agoureia dos maus tempos ancestrais,
Esta ave negra e agoureira dos maus tempos ancestrais,
Com aquele "Nunca mais".

Comigo isto discorrendo, mas nem sílaba dizendo
À ave que na minha alma cravava os olhos fatais,
Isto e mais ia cismando, a cabeça reclinando
No veludo onde a luz punha vagas sobras desiguais,
Naquele veludo onde ela, entre as sobras desiguais,
Reclinar-se-á nunca mais!

Fez-se então o ar mais denso, como cheio dum incenso
Que anjos dessem, cujos leves passos soam musicais.
"Maldito!", a mim disse, "deu-te Deus, por anjos concedeu-te
O esquecimento; valeu-te. Toma-o, esquece, com teus ais,
O nome da que não esqueces, e que faz esses teus ais!
"Disse o corvo, "Nunca mais".

"Profeta", disse eu, "profeta - ou demônio ou ave preta!
Fosse diabo ou tempestade quem te trouxe a meus umbrais,
A este luto e este degredo, a esta noite e este segredo,
A esta casa de ância e medo, dize a esta alma a quem atrais
Se há um bálsamo longínquo para esta alma a quem atrais!
Disse o corvo, "Nunca mais".

"Profeta", disse eu, "profeta - ou demônio ou ave preta!
Pelo Deus ante quem ambos somos fracos e mortais.
Dize a esta alma entristecida se no Éden de outra vida
Verá essa hoje perdida entre hostes celestiais,Essa cujo nome sabem as hostes celestiais!
"Disse o corvo, "Nunca mais".

"Que esse grito nos aparte, ave ou diabo!", eu disse. "Parte!
Torna á noite e à tempestade! Torna às trevas infernais!
Não deixes pena que ateste a mentira que disseste!
Minha solidão me reste!
Tira-te de meus umbrais!Tira o vulto de meu peito e a sombra de meus umbrais!
"Disse o corvo, "Nunca mais".

E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda
No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais.
Seu olhar tem a medonha cor de um demônio que sonha,
E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão há mais e mais,
Libertar-se-á... nunca mais!

Tradução Fernando Pessoa

domingo, 6 de abril de 2008

45.

45. (Fábio Terra)

O boi se foi manco,
Atrás da água
No coxo do rebanho
Até o barranco.

45 vezes ele mugiu
45 vezes os dias falaram
45 vezes o vento zuniu
45 vezes eu andei com as minhas sandálias,
Atrás do som perdido.

45 invertido, se dá 54
Onde mora meu pensamento repetido.

20 anos se passaram
2,0 segundos se passaram
200 milésimos andaram


Uma lâmpada foi colocada a 45m da entrada
E a 45 minutos da ENSEADA....

sexta-feira, 4 de abril de 2008

O BARCO MÁGICO.

O Barco Mágico. (Fábio Terra)

Hora de navegar
No barco mágico
Que leva o imagético
Poder da viagem.

Estrelas brilham cada vez mais sibilantes
Dentro do meu interior cognitivo
Ativo por raios high mega powers, inventivos
Traçados através do nosso corpo, que em breve
Estará nu.

Nau vazia de pensamentos,
Viaja através dos meus sentimentos
Pictóricos com a silhueta do teu corpo.

Hoje hei de permanecer junto a esse rio
Onde o espelho d’agua refletia o azul do céu
E posso então me banhar com teu puro coração.

Imaginando-me no interior
Do barco mágico
Que leva o imagético
Ao poder da viagem.

CIDADE SEM VIDA.

Cidade Sem Vida. (Fábio Terra)

Cidade sem vida, a que eu vivo
Sem graça sem noite, sem atrativos
Sem música, sem alma.

Terra de barões oligofrênicos
Onde os amantes traficam suas amarguras
Durante a noite sem graça.

Sem sexo, sem amor sem religião
Presos em seu rosto sagrado
Em uma caixa de luz insólita.

A fedentina de minha latrina é igual
A do homem sentado no Senado ou da moça mais bonita
Que traz no seu perfume, a mentira.

De uma cidade sem vida, sem graça, sem noite,
Sem atrativos, sem música sem alma,

QUINZE SEGUNDOS DE SUCESSO.

Quinze Segundos De Sucesso. ( Fábio Terra)

Acordo lentamente no dia quente,
Foi-se a manhã chata
Apenas pra os chatos.

Acordo com o carinho de uma brisa,
Que toca minha face áspera,
Como o tempo é, para aqueles
Que buscam o sucesso.

Quinze minutos de fama?
Você quer?
Quinze segundos de paz?

Você trocaria o certo, o correto infeliz
Pelo torto do porto de um cais?
Onde se soltam as amarras
E vai atrás da paz, sem o tempo te perseguir.

Quinze segundos de sucesso o que você pode ter
Mas pra você isso já basta?

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

ISSO É O AMOR É ISSO.

Isso é o Amor é Isso. (Fábio Terra)

Isso é o amor
Como pude ter você
Não posso mais olhar nos teus olhos
Jamais deixei te amar
Posso falar,
Será que esqueci você
Quero te procurar

Tenho raiva de ter te amado
Não vou olhar para você, mas.
Acabou,
Meu choro não será seu
O teu amor não será julgado
Só quero um pouco de romance
Flores poderiam ter ajudado
O amor é isso.



Agora leiam de baixo pra cima.

O PONTO.

O Ponto. (Fábio Terra)

É inevitável seu coração morre quando você cresce
O ponto de partida fica cada vez mais longe depois que você nasce
E a partida fica mais próxima de um ponto final depois que você corre.

É sabido que a libido acaba, busca-se no meio de tantas informações, o tato, o toque o ponto.

E o ponto de partida cada vez mais longe
E o ponto da partida cada vez mais perto.

A gente não amadurece quando cresce,
A gente endurece.
E é inevitável,
O coração morre quando a gente cresce.