domingo, 9 de dezembro de 2007

SORRISOS.

Sorrisos (Fábio Terra)

Sorrisos, sorrisos, sorrisos,
Sorrisadas sorridas ao vento
Que vai passando devagar e comprido.

Onde estava o afortunado,
Que ganhou o sorriso daquela bela,
Sem ter que fazer força,
Sem ter que dizer o seu próprio nome.

O que ele tem de diferente
Seria o olhar, reto e quente
Seria o sorriso trancado com dentes

Mas o que o afortunado tem de diferente
A não ser um sorriso
Também como o meu cheio de dentes.

2 comentários:

Naty disse...

Lembrei da "Sorrida"!Hehehe
Adorei o poema, posso pegá-lo pra mim?? Brincadeira!! Mas que gostei muito dele gostei!

Maia disse...

Que sorriso profundo!
Nada como um deste no tempo certo,
nahora certa e na medida certa.
Eles sempre valem mais que muitas palavras mal ditas.
Gostei muito vou reler muito.
Parabéns por esse e pelos outros poemas.
Você é mesmo um artista!!!!!

MAIA