sexta-feira, 6 de julho de 2007

BELALINDA.

Belalinda (Fábio Terra)

Lesmolisas transitam pelo silencioso musgo,
Trazendo notícias de um novo mundo,
Para Belalinda, princesa presa na torre.

Cavaleiros entram com suas armaduras reluzentes,
No pátio do castelo, onde sempre é noite,
E estrelas sobem a cada passo batido no chão.

Sob informações confidenciais de um astrolábio, Belalinda,
Sente seu coração sair pela boca,
Segura em suas mãos sua paixão, presa na torre,
Onde seu amor virara profissão.

Quem irá conseguir guardar seu coração,
O cavaleiro mais destemido,
O cavaleiro mais afortunado,
O cavaleiro mais apaixonado.

Sir Agador nobre de alma,
Bate com força, do seu cavalo as patas no chão,
Pátio anoitecido do castelo adormecido acorda.

Estrelas começam a subir,
Coragem, coragem, coragem,
Escolhe dentre as estrelas as mais brilhantes,
Em súbito salto prende-se à elas,
Subindo até a torre com sua espada embainhada,

Segura o coração de Belalinda na mão,
E o esconde, em uma caixa dada por um bruxo pagão.

Agora o coração de Belalinda é de Agador, dono de seu amor
E as Lesmolisas apenas olham em seu redor.

Um comentário:

Naty disse...

Reconheço tais nomes Corvo
adorei a nova poesia
lógico