quinta-feira, 12 de julho de 2007

DOPE.

Dope (Fábio Terra)

A noite sempre começa chamando de mansinho,
Colocando idéias em nossa mente, brain storm,
Contra o fardo, a marcha, o tédio e a razão
Porque não?

Soldados da caretice se colocam a sonhar,
Enquanto nós começamos a confabular,
Quem? Precisamos adorar,
Qual? Santa imagem atacar.
Que corações destruir, pisar.

Soldados da malandragem se colocam a correr,
Justiça é melhor evitar ou dar as mãos,
A noite já nos chamam pro seu exército, ocioso,
Abarrotado do maravilhoso, luzes e novas belas.

Mas como todo bom exército,
É preciso seguir em frente,
Acabar com a derradeira inocência,
A moral, a decente carapuça,

Que mentira devemos sustentar.
Vamos apenas olhar as luzes,
E estrelas acharemos que elas são,
Vamos apenas olhar as luzes,
E dopar nosso coração.

Dopar virar nuvem no ar,
Até a noite acabar,
Dopar virar nuvem no ar,
Até o fôlego acabar,
Dopar virar nuvem no ar.
Sem ter onde ficar,
Dopar, dopar, dopar,
Virar nuvem no ar.

2 comentários:

Naty disse...

DOPS, seres ditatorias!!!!
Dope-se...
marchar,liquidar,marchar,acabar.

Manu Barem disse...

Isso já é uma música.